BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

sexta-feira, 1 de março de 2019

Ministério Público e PF recomendam afastamento de diretoria da Vale

Ministério Público e PF recomendam afastamento de diretoria da Vale
Foto: Divulgação / Corpo de Bombeiros de Minas Gerais
As autoridades que trabalham na investigação da tragédia de Brumadinho recomendaram à Vale o “imediato afastamento” do diretor-presidente da mineradora, Fabio Scharvtsman, e outros quatro diretores, do “exercício de quaisquer funções e atividades nas empresas integrantes do grupo Vale S.A, proibindo seu acesso a quaisquer de seus prédios ou instalações”.

O documento, assinado por integrantes do Ministério Público Federal, do Ministério Público de Minas Gerais, e da Polícia Federal, pede ainda que a direção da empresa recomende aos empregados não compartilhar assuntos de “teor estritamente profissional” com as pessoas listadas no documento.

A recomendação vale para Fabio Schvartsman, presidente da Vale; Gerd Peter Poppinga, diretor-executivo de ferrosos e carvão; Lúcio Flavio Gallon Cavalli, diretor de planejamento; Silmar Magalhães Silva, diretor de operações do corredor Sudeste; além de outros três gerentes e dois técnicos.

O texto ainda solicita o afastamento de cinco técnicos e gerentes de atividades relacionadas à “gestão de risco e/ou monitoramento de segurança de barragens”.

“A partir da data da entrega desta recomendação, seus destinatários são considerados como pessoalmente cientes da situação ora exposta e, nesses termos, passíveis de responsabilização por quaisquer eventos que lhes forem imputáveis.”

O documento foi entregue em mãos aos advogados do conselho de administração da Vale no final da tarde desta sexta (1º). O MPF, o MPME e a PF dão 10 dias úteis para que a Vale informe se acatará ou não os pedidos. Se não aceitar as recomendações, os procuradores poderão pedir a prisão dos envolvidos.

A recomendação ocorre uma semana depois de gerentes e técnicos que estavam presos afirmarem em depoimento que diretores da Vale sabiam que havia problemas com a barragem do Córrego do Feijão, que se rompeu em janeiro. A informação de que o depoimento de um gerente levou a investigação à diretoria executiva da Vale foi revelado pelo jornal Folha de S.Paulo, na terça (26).


Do Portal Bahia Notícias/por Julia Chaib | Folhapress

Nenhum comentário: