BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Caso das malas de dinheiro: juiz marca depoimento da mãe de Geddel para 15 de fevereiro

Malas de dinheiro encontradas pela PF em Salvador (BA); dinheiro é atribuído à família Vieira Lima | Foto: Reprodução/GloboNews
Malas de dinheiro encontradas pela PF em Salvador (BA); dinheiro é atribuído à família Vieira Lima | Foto: Reprodução/GloboNews
A Justiça Federal de Brasília marcou para 15 de fevereiro o depoimento de Marluce Vieira Lima no processo dos R$ 51 milhões encontrados em malas de dinheiro em um apartamento em Salvador (BA). 

Marluce é mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima e do deputado Lúcio Vieira Lima, ambos do MDB-BA. Os três são réus pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. 

Segundo a Procuradoria Geral da República (PGR), os R$ 51 milhões têm como possíveis origens: propinas da construtora Odebrecht; repasses do operador financeiro Lúcio Funaro; e desvios de políticos do MDB. Em novembro do ano passado, o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, enviou o caso de Marluce à primeira instância da Justiça de Brasília para o processo não ficar parado. 

Responsável por marcar o depoimento de Marluce, o juiz Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, considerou: “Haja vista o transcurso do prazo fixado no atestado médico, hei por bem designar o dia 14/02/2019, às 14h30 a realização do interrogatório”. O depoimento será dado por videoconferência. 

Marluce Vieira Lima não compareceu ao interrogatório no STF, marcado para 30 de outubro do ano passado, alegando motivos de saúde. Ao denunciar Marluce, Geddel e Lúcio Vieira Lima, a PGR afirmou que a Petrobras, Furnas e a Caixa Econômica Federal tiveram prejuízo de ao menos R$ 587,1 milhões. 

Só no banco, teriam sido desviados para propina R$ 170 milhões pela ingerência de Geddel, segundo a PGR. A procuradoria também apura se uma parte dos R$ 51 milhões corresponde a parte dos salários de assessores que, segundo a PF, eram devolvidos aos irmãos Vieira Lima.

Do Portal NS/Fonte: TV Globo

Nenhum comentário: