BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 11 de dezembro de 2018

PF pediu prisão domiciliar de Aécio, Cristiane Brasil e Paulinho da Força, mas PGR e STF negaram

Aécio Neves, Cristiane Brasil e Paulinho da Força tiveram prisão domiciliar pedida pela PF Foto: Ailton de Freitas, Michel Filho e André Coelho / Agência O Globo
Aécio Neves, Cristiane Brasil e Paulinho da Força tiveram prisão domiciliar pedida pela PF | Foto: Ailton de Freitas, Michel Filho e André Coelho/Agência O Globo
A Polícia Federal solicitou a prisão domiciliar senador Aécio Neves (PSDB-MG), de sua irmã Andrea Neves e dos deputados federais Cristiane Brasil (PTB-RJ), Benito Gama (PTB-BA) e Paulinho da Força (Solidariedade-SP). 

Os pedidos, feitos no âmbito da operação Ross deflagrada nesta terça-feira,  não foram acolhidos  pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pelo ministro do Supremo Tribunal Federal ( STF ) Marco Aurélio de Mello. No pedido, a PF solicitou que Aécio, Cristiane Brasil, Benito Gama e Paulinho da Força tivessem seus mandados parlamentares suspensos e que se recolhessem em casa no período noturno. 

“Diante do não cabimento da medida em relação aos parlamentares, bem como observando-se posicionamento da Primeira Turma do STF quanto ao tema, a autoridade de polícia judiciária representa pela aplicação das seguintes medidas cautelares: (1) recolhimento domiciliar no período noturno; (2) suspensão do exercício do mandato dos parlamentares; (3) proibição de contatar os investigados; e de (4) ausentar-se do país, com entrega dos passaporte”, escreveu o delegado Bernardo Guidali Amaral, responsável pela operação. 

Na decisão que autorizou a deflagração da Operação Ross nesta manhã, o ministro Marco Aurélio apontou que há “indicativos” da atuação do senador Aécio Neves (PSDB-MG) para beneficiar as empresas do Grupo J&F entre 2014 e 2017, mas entendeu que a adoção de medidas alternativas à prisão preventiva, como a prisão domiciliar, para o senador não eram “indispensáveis”.

Do Portal NS/Fonte: O Globo

Nenhum comentário: