BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Bolsonaro vai cortar cargos no Banco do Brasil, Caixa, BNB e BNDES

O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse na tarde desta terça-feira que pretende cortar “no mínimo” 30% dos cargos políticos nos bancos federais. Em conversa com jornalistas no Superior Tribunal Militar (STM), ele confirmou que sua equipe prepara um “pente-fino” para mapear indicações partidárias no Banco do Brasil (BB), no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no Banco do Nordeste (BNB) e no Banco da Amazônia (BASA). “Pretendemos diminuir (o número de cargos) e colocar gente comprometida com outros valores lá dentro”, afirmou.
A uma pergunta sobre o “cabide” de empregos nos bancos federais e autarquias, Bolsonaro afirmou que a equipe do economista Paulo Guedes, escalado para o ministério da Economia, irá “rever” as estruturas das instituições. “Vamos diminuir isso aí”, ressaltou O presidente eleito disse “concordar” que há um “exagero” no número de comissionados e citou ainda o quadro de funcionários dos ministérios.
Na entrevista, ele voltou a destacar que pretende dar transparência às operações do BNDES, uma bandeira de campanha. “No BNDES, o sigilo vai ser zero”, disse.
Bolsonaro destacou que as mudanças nos bancos estatais e as nomeações de presidentes, incluindo a do Banco Central, estão sendo analisadas por Paulo Guedes. Até agora, o futuro ministro da Economia informou que Joaquim Levy, ministro da Fazenda no governo Dilma Rousseff, comandará o BNDES. “É da minha índole confiar nas pessoas”, disse Bolsonaro, referindo-se a Guedes. “Essa é a política econômica do Paulo Guedes. Ele tem ascendência”, completou. “O Brasil está numa situação crítica e está nas mãos dele tirar (o País) dessa situação.”
Ministérios
Bolsonaro também indicou que o destino do Ministério do Trabalho não deve ser junto da Fazenda. No entanto, o presidente eleito disse que a pasta continuaria com “status” de ministério. “Não vai ser secretaria, não”, disse. O número final de ministérios, segundo ele, deve ser 17 ou 18.
Também nesta terça, em visita marcada por empurra-empurra ao Tribunal Superior do Trabalho (TST), Bolsonaro afirmou que pode anunciar os futuros ministros do Meio Ambiente e de Relações Exteriores nesta quarta-feira. Ele compareceu no início da tarde ao tribunal para se reunir com o presidente da Corte, ministro Brito Pereira. “É possível acontecer até amanhã (quarta). Está madura esta questão. Queremos alguém do quadro do Itamaraty”, disse, sobre o futuro chanceler. Questionado se o novo titular seria um homem ou uma mulher, Bolsonaro respondeu: “Pode ser gay também”.
Cotado para assumir o Ministério da Saúde a partir de janeiro, o deputado Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS) confirmou que recebeu o convite para o cargo e disse que “nasceu pronto para trabalhar”. Ao Estado, o deputado, que não concorreu à reeleição, afirmou que ter conversado com Bolsonaro duas vezes. (Informações da Agencia Estado).
Do Portal Interior da Bahia

Nenhum comentário: