BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Aroldo e Tiago Cedraz são denunciados por tráfico de influência

O ministro do TCU Aroldo Cedraz e seu filho, o advogado Tiago Cedraz | Fotos: Foto: Wilson Dias/Agência Brasil e Ruy Baron/Valor/Folhapress
O ministro do TCU Aroldo Cedraz e seu filho, o advogado Tiago Cedraz | Fotos: Wilson Dias/Agência Brasil e Ruy Baron/Valor/Folhapress
A Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou nesta quarta-feira (10) o ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Aroldo Cedraz, seu filho, o advogado Tiago Cedraz e outras duas pessoas por tráfico de influência. 

Eles são acusados de negociar e receber dinheiro da UTC Engenharia para influenciar o julgamento de processos sobre a Usina Angra 3 que tramitam no TCU. Em nota, a defesa de Aroldo e Tiago Cedraz informou que recebeu a denúncia com “surpresa e indignação” e que, ao longo do processo, irá demonstrar a “lisura” dos dois. 

A denúncia foi encaminhada ao relator do inquérito que investiga o caso no Supremo Tribunal Federal, ministro Edson Fachin. Segundo a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, há elementos que comprovam a entrega de dinheiro em São Paulo, na sede da UTC e, em Brasília, no endereço onde funciona o escritório de Tiago Cedraz. 

De acordo com a denúncia, os acertos foram feitos em 2012 e pagos parceladamente até 2014. No total foram pagos R$ 2,2 milhões, segundo Dodge. As investigações têm como base a delação do ex-presidente da UTC Ricardo Pessoa. 

Na época em que se tornou pública a delação de Pessoa, Aroldo divulgou uma nota para negar as denúncias. Ele disse que sempre agiu com “total isenção” e que suas ações “sempre se pautaram pela ética, lisura e respeito aos princípios republicanos”. Também no período em que saiu a delação, Tiago Cedraz negou irregularidades e declarou que vai provar a inocência do cliente.

Do Portal NS/Fonte: G1

Nenhum comentário: