BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

sexta-feira, 16 de março de 2018

Ato de juízes por auxílio-moradia afeta atendimento da Justiça em 7 estados e no Distrito Federal

Juízes e procuradores fazem ato por reposição salarial em Campo Grande (Foto: Dyego Queiroz/G1 MS
Juízes e procuradores fazem ato por reposição salarial em Campo Grande | Foto: Dyego Queiroz/G1 MS
Juízes federais realizaram nesta quinta-feira (15) uma mobilização nacional pela manutenção do auxílio-moradia. Está previsto para a próxima quinta (22) o julgamento de uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) sobre o direito da categoria de receber o benefício, com valores de até R$ 4,3 mil mensais. 

Em ao menos sete estados e no Distrito Federal a mobilização afetou o atendimento na Justiça Federal: Alagoas, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Piauí, Sergipe e Rio Grande do Norte. O movimento causou o cancelamento de audiências em 699 (44%) das 1.577 varas da Justiça trabalhista, segundo a associação da carreira. 

Na Bahia, os trabalhos ocorreram normalmente na Justiça Federal. Na Justiça do Trabalho, as atividades foram suspensas, mas as audiências foram antecipadas ou remarcadas. A Associação de Juízes Federais (Ajufe) pediu ao relator da ação, ministro Luiz Fux, que o julgamento sobre o auxílio-moradia fosse adiado. 

A Ajufe alegou que o processo ainda não está pronto para decisão, porque falta a manifestação da própria entidade, que defende a manutenção do benefício. Em setembro de 2014, Fux concedeu decisão liminar (provisória) assegurando o direito ao auxílio-moradia a todos os juízes federais em atividade no país. 

Atualmente um juiz federal substituto inicia a carreira com salário de R$ 27,5 mil brutos. Juízes e procuradores reclamam de perda do poder de compra de 40% desde 2005, sob o argumento de que a Constituição prevê uma revisão salarial todo ano. Eles querem a aprovação de um aumento de pelo menos 16,8%, proposto em 2015, mas até hoje parado no Congresso.

Do Portal NS/Fonte: G1

Nenhum comentário: