Gravação do DVD de Lívia Carvalho

Gravação do DVD de Lívia Carvalho

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana

BERG ARAGOM NOVO

BRASILGÁS

BRASILGÁS
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Maia: ‘Se não tiver maioria para reforma em fevereiro, será difícil depois’

O calendário para aprovação da reforma da Previdência neste ano é apertado, indicou o presidente da Câmara dos Deputados e um dos principais defensores da proposta, Rodrigo Maia (DEM-RJ), em entrevista ao programa Conexão Estadão, na Rádio Eldorado. 

“Se não tiver maioria (308 votos) para a reforma em fevereiro, será difícil ter votação depois de março”, explicou. Maia avalia que é importante aprovar rapidamente a proposta que revisa as regras previdenciárias. “Quanto mais atrasar a reforma, mais dura ela será no futuro. Nosso objetivo é mostrar isso aos deputados”, explicou. 

Diante desse cenário, o parlamentar pediu a contribuição do governo para angariar os votos necessários à aprovação proposta. “Que o governo nos ajude a construir votos à Previdência. É fácil falar e não ter os votos.” 

Questionado sobre a possibilidade de avançar no Congresso uma reforma tributária, o presidente da Câmara preferiu aguardar os desdobramentos em torno da reforma da Previdência antes de se posicionar. “Vamos esperar primeiro a Previdência para ver se há condição para a reforma tributária.” 

Apesar do quadro fiscal delicado no País, Maia entende que o governo Temer dificilmente conseguirá aumentar a arrecadação de impostos com a aprovação do Congresso Nacional. “É muito difícil que esse governo tenha votos para ampliar a carga tributária no Brasil”, afirmou. 

Em relação à possibilidade de alteração da regra de ouro das contas públicas, que impede que o governo se endivide para cobrir despesas correntes, Maia voltou a frisar que o assunto não será debatido em 2018. Sobre o imbróglio envolvendo a nomeação da deputada Cristiane Brasil (PTB-RJ) para o Ministério do Trabalho, Maia negou que isso possa provocar uma saída do PTB da base aliada do governo Michel Temer. “Vamos manter o PTB unido.”

Do Portal NS/Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom / Agência Brasil

Nenhum comentário: