BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Biometria: eleitor que perder o prazo pode regularizar situação até maio

A menos de 15 dias úteis para o fim do prazo do cadastramento biométrico em Feira de Santana, eleitores ainda reclamam da falta de estrutura para atender a demanda de pessoas que procuram a sede do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e denunciam um esquema de venda de senhas na porta do local e do agendamento feito pela internet.
O chefe da zona eleitoral 156, Danilo Pereira, confirmou que a poucos dias de terminar o prazo ainda há cerca de 30% dos eleitores sem fazer a biometria. “A fila todos os dias está enorme, e estamos trabalhando das 8h às 18h para tentar atender a todos, mas o prazo está mantido até 31 de janeiro. Pelas projeções que fizemos, o número de eleitores que fizeram a biometria não chega a 80%.”
De acordo com Danilo Pereira, não há previsão de prorrogação do prazo, porém quem não fizer o cadastramento biométrico terá o título cancelado. No entanto, segundo ele, em ano de eleição o cadastramento eleitoral ocorre até 150 dias antes da eleição e esse ano termina no dia 9 de maio.
“Quem, eventualmente, teve o título cancelado porque não conseguiu vir, pode vir até o dia 9 de maio e regularizar a situação. Agora, quem não vier até esse prazo, não vota nessa eleição. Passada a eleição, o eleitor pode novamente regularizar a situação”, avisou.
O chefe da zona 156 esclareceu ainda que quem tiver o título cancelado não paga multa por não comparecer à revisão do eleitorado, a multa é para o cidadão que deixa de votar, for convocado para ser mesário e não comparecer, ou cometer algum crime eleitoral, como propaganda irregular. Por outro lado, ter o título cancelado impede que o eleitor realize alguns serviços e tenha alguns direitos como cidadão.
“Algumas atividades da vida civil requerem a quitação eleitoral, como ingressar em faculdade pública, tomar posse em concurso público, obter financiamento público, receber alguns benefícios sociais, fazer o alistamento militar, dentre outras exigências eleitorais”, relembrou.
Do Portal CN/Fonte:Acorda Cidade

Nenhum comentário: