BRASILGÁS

BRASILGÁS

Aragom Modas

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

sábado, 23 de dezembro de 2017

Mulher trabalhava há mais de 40 anos sem receber salário na Bahia

Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Uma mulher que trabalhava em condições análogas de escravidão no interior da Bahia foi resgatada por uma ação conjunta do Ministério Público do Trabalho (MPT) e Polícia Federal (PF). 

De acordo com auditores fiscais do trabalho que integraram a força tarefa da ação que ocorreu na quarta-feira (20) e quinta (21), a mulher trabalhava como empregada doméstica em uma residência no município de Elísio Medrado, no Vale do Jiquiriçá, sem direito a férias, a sair da casa e ainda sofria agressões físicas dos seus patrões. 

Ela realizava atividades do dia-a-dia como lavar pratos, roupas e limpar a casa há 40 anos e, como pagamento, recebia apenas comida, roupas e remédios. A trabalhadora laborou todos esses anos sem gozar de qualquer dia destinado a repouso, bem como jamais tirou férias. 

A auditora fiscal do trabalho Liane Durão afirmou que “houve desrespeito geral e sistemático aos diversos limites de jornada estabelecidos na legislação pátria, destinados a proteção da saúde e segurança do trabalhador”. 

Para Jackson Brandão, auditor fiscal que também integrou a ação, o acontecimento “é um hábito ainda vivo na cultura brasileira”: “O empregador mantém como agregados pessoas em condição de vulnerabilidade social”. 

O Ministério Público do Trabalho analisará a viabilidade de firmar Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) ou ajuizamento ação civil pública em busca da reparação indenizatória pelos danos causados à mulher. Os relatórios de fiscalização serão encaminhados à Polícia Federal, que vai investigar o crime de redução de trabalhadores a condições análogas às de escravo.

Do Portal NS/Fonte: Bahia Notícias

Nenhum comentário: