BERG ARAGOM NOVO

BRASILGÁS

BRASILGÁS

Entec Informática

Entec Informática

Robério Transportes

Robério Transportes
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Ex-assessor de Lúcio Vieira Lima diz à Polícia Federal que contava dinheiro na casa da mãe de Geddel

Bunker onde a Polícia Federal encontrou os R$ 51 milhões atribuídos a Geddel (Foto: Divulgação/PF
Bunker onde a Polícia Federal encontrou os R$ 51 milhões atribuídos a Geddel | Foto: Divulgação/PF
Em depoimento à Polícia Federal, o assessor Job Ribeiro disse que contava dinheiro na casa da mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima. As informações são da TV Globo. Job trabalhou com o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel, e teve as digitais encontradas nas cédulas dos R$ 51 milhões que a polícia descobriu em um apartamento atribuído ao ex-ministro. 

A polícia investiga se Geddel, que está preso em Brasília, era dono ou intermediário da fortuna. Job chegou a ser preso, mas foi solto após pagar fiança. À PF, ele disse que, com “maior frequência a partir de 2010”, recebia o dinheiro de Geddel para contar na casa da mãe do ex-ministro. 

Segundo Job, as quantias variavam de R$ 50 mil a R$ 100 mil e chegavam em pacotes de papel pardo. Às vezes, segundo ele, as cédulas apareciam soltas ou envoltas em fitas. O assessor afirmou que não sabia de onde vinha o dinheiro e nem para onde era enviado depois. Ele disse que a contagem era feita em uma sala reservada, que funcionava como uma espécie de gabinete. 

Segundo o Estadão Conteúdo, Job relatou também que contava dinheiro de um posto de combustível no bairro de Stella Maris, em Salvador, pertencente a Lúcio Vieira Lima, fechado já há mais de um ano para reforma. 

Nesse caso, “os valores contabilizados giravam em torno de R$ 10.000,00 a R$ 15.000,00”. Às vezes era ele quem buscava, às vezes um motorista, e, em outra ocasião, integrantes da própria família de Geddel. O dinheiro, diz Job, “era depositado em conta vinculada ao próprio posto no banco Bradesco”.

Do Portal Notícias de Santaluz (NS)

Nenhum comentário: