Prêmio Fama

Prêmio Fama

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana

BERG ARAGOM NOVO

BRASILGÁS

BRASILGÁS

Banner do Futsal Barbarense

Banner do Futsal Barbarense

Entec Informática

Entec Informática

Robério Transportes

Robério Transportes
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Ex-assessor de Lúcio Vieira Lima diz à Polícia Federal que contava dinheiro na casa da mãe de Geddel

Bunker onde a Polícia Federal encontrou os R$ 51 milhões atribuídos a Geddel (Foto: Divulgação/PF
Bunker onde a Polícia Federal encontrou os R$ 51 milhões atribuídos a Geddel | Foto: Divulgação/PF
Em depoimento à Polícia Federal, o assessor Job Ribeiro disse que contava dinheiro na casa da mãe do ex-ministro Geddel Vieira Lima. As informações são da TV Globo. Job trabalhou com o deputado Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA), irmão de Geddel, e teve as digitais encontradas nas cédulas dos R$ 51 milhões que a polícia descobriu em um apartamento atribuído ao ex-ministro. 

A polícia investiga se Geddel, que está preso em Brasília, era dono ou intermediário da fortuna. Job chegou a ser preso, mas foi solto após pagar fiança. À PF, ele disse que, com “maior frequência a partir de 2010”, recebia o dinheiro de Geddel para contar na casa da mãe do ex-ministro. 

Segundo Job, as quantias variavam de R$ 50 mil a R$ 100 mil e chegavam em pacotes de papel pardo. Às vezes, segundo ele, as cédulas apareciam soltas ou envoltas em fitas. O assessor afirmou que não sabia de onde vinha o dinheiro e nem para onde era enviado depois. Ele disse que a contagem era feita em uma sala reservada, que funcionava como uma espécie de gabinete. 

Segundo o Estadão Conteúdo, Job relatou também que contava dinheiro de um posto de combustível no bairro de Stella Maris, em Salvador, pertencente a Lúcio Vieira Lima, fechado já há mais de um ano para reforma. 

Nesse caso, “os valores contabilizados giravam em torno de R$ 10.000,00 a R$ 15.000,00”. Às vezes era ele quem buscava, às vezes um motorista, e, em outra ocasião, integrantes da própria família de Geddel. O dinheiro, diz Job, “era depositado em conta vinculada ao próprio posto no banco Bradesco”.

Do Portal Notícias de Santaluz (NS)

Nenhum comentário: