Prêmio Fama

Prêmio Fama

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana

BERG ARAGOM NOVO

BRASILGÁS

BRASILGÁS

Banner do Futsal Barbarense

Banner do Futsal Barbarense

Entec Informática

Entec Informática

Robério Transportes

Robério Transportes
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

sexta-feira, 27 de outubro de 2017

Cunha, Alves e Funaro depõem hoje sobre supostos desvios na Caixa

Os ex-presidentes da Câmara Eduardo Cunha e Henrique Eduardo Alves e o operador Lúcio Funaro prestam depoimento ao juiz federal Vallisney de Oliveira, da 10ª Vara de Brasília, na manhã desta sexta-feira (27).
Marcos para ocorrer a partir das 10h, os três serão interrogados no âmbito da Operação Sépsis, de julho de 2016, que investiga irregularidades na liberação de recursos administrados pela Caixa Econômica Federal.
A defesa de Cunha pediu para atrasar o depoimento com a finalidade de esperar a chegada da delação de Funaro, homologada pelo STF (Supremo Tribunal Federal), mas o juiz Vallisney negou.
O depoimento do peemedebista para o juiz federal já foi adiado duas vezes devido à divulgação da delação de Funaro. A defesa alega que as declarações ainda não chegaram à Justiça Federal, apesar de já terem sido homologadas pelo STF.
Na tarde des quinta-feira (26), Cunha e Funaro ficaram frente a frente durante o depoimento, por meio de uma videoconferência, do ex-vice presidente da Caixa Econômica Federal Fábio Cleto.
Esta foi a primeira vez que os dois se encontraram depois de o conteúdo das delações premiadas do operador ter sido divulgado para a imprensa.
Acusações
Apontado como antigo operador do ex-presidente da Câmara, Funaro passou a acusá-lo após fechar acordo de delação com a Justiça. Nos depoimentos para a PF (Polícia Federal), ele falou sobre supostos atos ilícitos do peemedebista. Cunha, por sua vez, começou a atacar o teor dos depoimentos.
De acordo o MPF (Ministério Público Federal), Cunha atuou em um esquema de cobrança de propinas entre os anos de 2011 e 2015.
O relatório de acusação aponta que o ex-parlamentar trabalhava junto a empresas beneficiadas pela Caixa Econômica Federal e ao FI-FGTS (Fundo de Investimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço).
Ainda segundo o MPF, Cleto declarou, em sua delação premiada, que Cunha recebia 80% do dinheiro da propina arrecadada entre as empresas interessadas na liberação do FI-FGTS.
Cunha está preso no complexo penitenciário da Papuda, em Brasília, desde 18 de setembro deste ano. Antes, o ex-presidente da Câmara estava preso em Curitiba, cumprindo a pena de 15 anos e 4 meses da operação Lava Jato, pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.
Cunha foi encaminhado a Brasília para ser interrogado sobre as investigações dos desvios na Caixa Econômica Federal. O ex-presidente da Câmara também é investigado em outros cinco inquéritos ligados à operação Lava Jato.
O juiz federal Vallisney de Oliveira já determinou, no último dia 13 de outubro, que a volta de Eduardo Cunha para Curitiba (PR), deve ser feita pela PF, “de acordo com a operacionalidade e disponibilidade, entre os dias 28/10/2017 e 01/11/2017”.
Do Portal CN/Fonte:R7

Nenhum comentário: