Prêmio Fama

Prêmio Fama

Lucas Chicabana

Lucas Chicabana

BERG ARAGOM NOVO

BRASILGÁS

BRASILGÁS

Banner do Futsal Barbarense

Banner do Futsal Barbarense

Entec Informática

Entec Informática

Robério Transportes

Robério Transportes
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Lancha de acidente que matou 19 pessoas era reserva, afirma comandante

A lancha Cavalo Marinho I, que virou no mar e matou 19 pessoas na última quinta-feira (24), não estava programada para fazer a viagem que terminou em tragédia. Foi o que disse o comandante da embarcação, Osvaldo Barreto, 52 anos, em entrevista à jornalista Patrícia Nobre da  TV Bahia na segunda (28). 
Ele falou que a Cavalo Marinho I era uma embarcação reserva. “Tive que pegar a Cavalo Marinho I porque a Nossa Senhora da Penha, a que saía nesse horário de 6h30, foi para lavagem do casco e manutenção”, contou.
Barreto disse ainda que estava chovendo na hora em que a lancha virou e que a mudança dos passageiros para o lado direito desequilibrou a embarcação.
“Ao sair de Mar Grande, começou a chover muito e os passageiros passaram para o lado direito (do barco). Bateu uma onda mais forte e a lancha saiu de lado. Foi rápido”, contou ele, que tem dez anos de experiência.
Com a virada da lancha, o comandante disse que foi lançado ao mar, mas retornou em seguida para distribuir os coletes salva-vidas – ele negou que os coletes estivessem amarrados como afirmaram alguns passageiros.
Osvaldo afirmou ainda que acenou para duas embarcações que passaram pelo local após o acidente, mas acredita que elas não viram. “Caí na água, voltei para a lancha e comecei, eu e os outros marinheiros, a tirar os coletes salva-vidas. Salvamos várias vidas, mas, infelizmente, não pudemos salvar todas.”
A CL Transporte Marítimo, proprietária da lancha que se acidentou na Baía de Todos os Santos, informou, em nota, que a embarcação estava “em plenas condições de navegabilidade”, com documentação regular e o prazo de validade da última vistoria vai até 2021. “As vistorias intermediárias, que incluem casco, máquinas, sistema elétrico e equipamentos de rádio, têm validade até o fim de 2018.
Segundo a empresa, foi criado um grupo multidisciplinar, com médicos, psicólogos e assistentes sociais, para prestar apoio às vítimas e familiares. Ainda conforme a CL, os custos dos funerais das 19 vítimas estão sendo ressarcidos.
Do Portal CN/Fonte:TV Bahia

Nenhum comentário: