Berg da Aragom

Entec Informática

Entec Informática

Robério Transportes

Robério Transportes
NÃO PERCA ESTA OPORTUNIDADE!

VENDE-SE UM TERRENO MEDINDO 11 TAREFAS. TABULEIRO ÓTIMO PARA CHÁCARA PRÓXIMO À CAIXA D'ÁGUA EM BANDIAÇU, CONCEIÇÃO DO COITÉ-BA, COM ÁGUA ENCANADA, ENERGIA ELÉTRICA E INTERNET PRÓXIMAS.

CONTATOS: (71) 99296-1175 (75) 99819-7823, 98124-9844 (Evódio), 99121-4433 e 98155-9060.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Vigilantes dos Bancos de Serrinha paralisam atividades

Os vigilantes que prestam serviços nas agências bancárias de Serrinha também aderiram à paralisação que afeta toda a Bahia.

O Sindicato dos Vigilantes do Estado da Bahia (SINDIVIGILANTES) iniciou, nesta quarta-feira, 24 de maio, greve geral dos empregados de empresas de segurança e vigilância, que atuam em bancos, shoppings, hospitais, escolas, indústrias, condomínios e outras setores, com objetivo de pressionar os patrões a analisarem prudentemente a importância da classe e as necessidades pontuadas em 8 rodadas de negociações.

*“Devido a vários calotes, inseguranças, excesso de horas de trabalho e tantos outros problemas, estamos lutando por: cesta básica, plano de saúde, cota para as mulheres, além do reajusto digno salarial”*, explica o presidente do SINDIVIGILANTES José Boaventura.

Com uma proposta absurda de 1% para reajuste salarial pelo patronal, outro ponto crítico no diálogo é a flexibilização a jornada 12×36 dentre outras propostas, que vão de encontro às conquistas já garantidas pela categoria.

São quase 32 mil vigilantes que atuam no Estado da Bahia, com data-base em 1º. Os vigilantes pedem reajuste de 15%, ticket refeição de 20,00 reais, cotas para as mulheres de 30% (por posto de trabalho), piso salarial de 1.500,00 reais.

*“Por causa das provocações, da picaretagem, do desrespeito com que trataram os vigilantes, a proposta de 1% é absurda, por isso, necessidade de greve geral na Bahia”*, declara o presidente da Central Única dos Trabalhadores da Bahia Cedro Silva.

A greve geral foi declarada após muitas negociações entre o Sindicato dos Vigilantes e o patronal, que insistiu em adotar a modalidade dura e sem esperança. “Essa é uma categoria que tem brilho no rosto, coragem, vergonha na cara e não tem medo de lutar, pois trabalhamos dia e noite. É uma categoria que não se dobra e não aceita picaretagem”, explicou o presidente do SINDIVIGILANTES Boaventura.

Por Cival Anjos/Fonte: Portal Sindivigilantes/Ba

Nenhum comentário: